Barcelona, uma cidade fabulosa que não se esgota numa só visita.

Ao contrário do que já tinha sucedido, em que visitei Barcelona numa road trip, desta vez fomos de avião e do Aeroporto seguimos para o hotel de autocarro, pelo Aerobús A1. Esta é a linha que segue para o centro da cidade e que vai parando em vários locais. São transportes que estão adaptados e o serviço funciona muito bem. Saímos na última paragem, na Praça da Catalunha, e subimos uns quarteirões do Passeio de la Grácia até virarmos para a rua do nosso hotel. Foi puxado, mais de um quilómetro a subir, mas lá cheguei, o F. levava as malas, por isso não tive ajuda. 

Ficámos numa zona muito calma e agradável, num hotel onde acordávamos todos os dias com o pequeno almoço no nariz pois a recepção ficava na padaria do Praktik Bakery Hotel. E que bem que cheirava! Uma boa opção, explico tudo aqui.

Antoni Gaudí

Comecemos por Antoni Gaudí, nem podia ser de outra forma, pois vamos tropeçar nele a toda a hora. É um dos arquitectos mais conhecidos de todos os tempos, um modernista com ideias revolucionárias muito à frente no seu tempo. São várias as suas obras, que podemos encontrar em Barcelona, e, apesar de serem do final do Séc. XIX, início do Séc. XX, é possível visitá-las todas, quase na totalidade.

Além da beleza dos projectos de Gaudí, é muito interessante ouvir a explicação das ideias que aplicou em cada um deles. Nada é por acaso, pois tudo foi pensado e estudado para uma finalidade, quase sempre funcional.

Sagrada Família

Claro que a mais conhecida é a majestosa e inacabada Sagrada Família. Passámos mas não entrámos, o que veio a revelar-se uma asneira porque, ao adiarmos, já não conseguimos lá voltar. A sua beleza e interesse começam logo no exterior dado o complexo de fachadas e torres, cada um com o seu significado pelo que vale a pena explorar a catedral e estudá-la mais ao pormenor. As torres não são acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida pois, segundo o site, os elevadores são usados apenas para a subida, 

La Pedrera

O hotel ficava numa das ruas da Casa Milá, ou La Pedrera, que foi uma das últimas obras projectadas por Gaudí, a pedido da família Milá. É um prédio de habitação e escritórios que pode ser visitado nalgumas áreas, em especial o apartamento onde viveu a família em questão, ainda com muitas peças originais do mobiliário da época. Mas, o que mais marca esta visita, é o terraço e as surpreendentes chaminés, em forma de esculturas, que nos desviam da magnífica vista sobre a cidade de Barcelona, dada a sua beleza.

Para visitar o terraço há elevador, no entanto, para quem se desloca em cadeira de rodas, não é possível percorrê-lo na totalidade. Porém, no site oficialestá tudo muito bem explicado numa página dedicada às acessibilidades.

Casa Batlló

Considerada a obra prima de Gaudí, a Casa Batlló, surpreende-nos até ao limite e basta visitá-la para se perceber porquê! Aqui, cada pormenor conta, e cada um conta uma história do imaginário de Gaudí. É um mundo mágico, que nos transporta a um ambiente surreal desde tartarugas voadores até cogumelos a crescerem, que vamos descobrindo com a ajuda de um dispositivo móvel de realidade aumentada, entregue no inicio da visita. 

Quase toda a casa Batlló é  acessível a pessoas com mobilidade reduzida. Consulte a área das acessibilidades do site oficial.

Mais havia para ver desta fantástica obra de Gaudí, Património Mundial da UNESCO, porém, como não conseguimos ir a todas temos uma excelente desculpa para voltar.

Mas Barcelona não é só Gaudí. É uma cidade cheia de vida, ou não estivéssemos nós em Espanha, pelo que o melhor é ir desbravando a cidade, andando pelas ruas.

Las Ramblas

La Rambla, ou Las Ramblas, é a Avenida mais conhecida e a mais concorrida, principalmente por turistas, o que torna tudo mais caro pelo que o melhor é passar, ver e optar por consumir noutros locais. Ao descê-la, podemos entrar na Praça Real, a típica praça espanhola, muito bonita, e seguir em direcção ao Bairro Gótico.

Bairro Gótico

Aqui, perdemo-nos nas ruas e ruelas de uma cidade medieval, adaptada aos dias de hoje. Passear, ver as lojas mais cool da cidade, entrar no emblemático Els Quatre Gats, o restaurante frequentado por intelectuais como Gaudí, Picasso, entre outros, comer umas tapas nos seus bares típicos, visitar a Catedral e apreciar todo o clima deste bairro carismático de Barcelona, é uma experiência a não perder.

Se gosta de Picasso, tem no Museu de Picasso uma das maiores colecções do mundo do pintor. O museu é totalmente acessível, como pode verificar no site do museu.

Não muito distante, fica o Palácio da Música, e, se por lá passar entre! Projectado pelo arquitecto modernista Lluís Domènech i Montaner, tem uma das salas de concertos mais bonitas do mundo, segundo dizem. Não conseguimos ver pois estava fechado quando passámos. Apreciámos apenas o edifício, mais um Património Mundial da UNESCO.

Barceloneta

Adoro cidades com praia e Barcelona tem muito para oferecer, nesse aspecto. São várias as praias e tenho quase a certeza de que devem ser todas adaptadas. A que percorri, a praia de Barceloneta, tinha vários pontos  com condições  para pessoas com mobilidade reduzida e, mesmo que não apeteça ir a mergulhos, vale a pena um passeio pela promenade mais concorrida da zona.

Foi o que fizemos e, com a ameaça de chuva, decidimos regressar de metro. Decidimos nós e mais uns milhares que por ali andavam! Já me imaginam no meio deles a tentar entrar para uma carruagem? Não, nem fazem ideia do que foi. Se já me faz muita confusão estar no meio de uma multidão, aquilo foi estar dentro de uma lata de sardinhas! A muito custo, tivemos de passar para a linha do lado contrário, andar uma estação para trás e apanhar o metro, antes da confusão.

Quanto à gastronomia, o melhor é nem pensar em dietas porque aqui come-se muito, muito, bem!

Este foi só um cheirinho de um fim de semana muito bem passado, numa cidade bastante acessível, com muitas alternativas, por onde vai poder andar sem grandes preocupações.

Deixo aqui um site com um resumo do que se pode visitar em Barcelona e todas as acessibilidades associadas a cada um desses locais: Barcelona, for accessible tourism.

O metro da cidade, apesar de muito antigo, é acessível mas não totalmente. Aqui fica um Site onde pode encontrar as estações com acessibilidade/elevador para cadeira de rodas.

Recordando uma crónica de José Luís Peixoto, sobre uma viagem, senti que vinha ao meu encontro quando ele afirma “No que diz respeito ao olhar, impôs-se aquele que está lá e que privilegia a experiência simples dos sentidos. No fundo, para quem foi, o mais fundamental desse tempo, aquilo que efectivamente lhe acrescentou mundo, foi ter ido, ter estado lá realmente, ter olhado em volta. Há muito que se pode aprender em enciclopédias, documentários ou na internet, mas também há o resto: aquilo que se pode sentir

Foi, efectivamente, um apelo aos sentidos, o que eu senti em Barcelona.

JustGo!!

Ano da viagem: 2017

Links úteis:

Site do turismo acessível de Barcelona.

Turismo acessível da Catalunha.

Author

Write A Comment

error: Content is protected !!