Se pensa que não há nada para fazer em Mora, no Alentejo, desengane-se, pois, esta pacata vila alentejana não nos dá descanso…

São quatro as freguesias que dividem este município, no distrito de Évora: Mora, Brotas, Cabeção e Pavia – Malarranha e cada uma tem o seu encanto e a sua identidade.

Brotas destaca-se assim que nos aproximamos, seguindo pela N2, com as suas casas caiadas de branco e azul.  Aqui, podemos apreciar o Santuário de Nossa Senhora de Brotas no cimo da rua em que as casas, onde pernoitavam os peregrinos, ainda conservam as placas dos nomes das confrarias a que pertenciam, sendo uma rua que nos enquadra, imediatamente, no Alentejo.

Seguindo caminho vamos dar a Mora, onde o melhor é aproveitar para petiscar. Quem resiste à gastronomia Alentejana? Eu não! Sempre que por ali passo tenho que me deliciar com as iguarias do Restaurante O Afonso. Desde a simpatia, à qualidade e ao fantástico menu é tudo muito bom e, desta vez, com todas as regras de limpeza e distanciamento, devido à actual situação de pandemia.

Em Mora, os tons mudam de azul para amarelo, mas o branco continua imaculado. Lembro-me sempre do Alentejo assim, branquinho, pois foram várias as vezes em que, na minha infância, participei nesta tradição, a de caiar as paredes das casas do monte onde viviam os meus avós. Tradições com razão, já que a cal branca protege as casas do calor, no verão, e no inverno da humidade.

Museu Interactivo do Megalitismo de Mora

Sendo este um concelho com um enorme património megalítico, surgiu aqui o único museu nacional alusivo a esta temática. O Museu Interactivo do Megalitismo tem em exposição peças de escavações arqueológicas, efectuadas nesta região, contando, também, com vários espaços de lazer e uma biblioteca. Toda esta área, que inclui a antiga estação de Mora, mais dois edifícios, resulta num espaço moderno e muito agradável.

Foi com muita pena que não pude visitá-lo porque se encontrava ainda fechado, uma vez que fui pouco tempo depois de ter sido levantado o período de confinamento imposto pela situação de calamidade, devido ao Covid19. Esta era uma das curiosidades que tinha em relação a este destino, assim como o Fluviário de Mora, infelizmente, também encerrado.

Fluviário de Mora

Fluviário de Mora, um grande aquário de água doce, o primeiro da Europa, oferece-nos o conhecimento de toda a diversidade dos seus ecossistemas. São várias as espécies que podem ser observadas, como por exemplo, algumas lontras que habitam no Lontrário, entre outras. A preocupação com a água também é tema numa exposição multimédia, assumindo, assim, um papel pedagógico, além de uma posição activa na conservação, tendo para isso sido criado um núcleo de investigação. Muitas são as actividades disponíveis, que podem ser feitas em grupo ou individualmente, sempre alusivas ao tema.

Parque Ecológico do Gameiro

O Fluviário está inserido no Parque Ecológico do Gameiro sendo que este tem uma vasta oferta de actividades de lazer.

Para começar, e agora muito na moda, encontramos um passadiço em madeira de 1,5km com uma paisagem fantástica virada para o Rio Raia, onde se podem apreciar a flora e fauna características da região. Para os mais aventureiros, no final é, ainda possível, continuar e fazer um trilho em terreno mais acidentado de 5,5km.

Parque de campismo, parque infantil com arborismo, para os mais pequenos, e uma praia fluvial são outras das opções que o parque oferece.

Estava um dia quente, mas estava.-se muito bem. O ambiente era agradável e a vegetação deixava alguma frescura no ar, pelo que será, com certeza, uma boa opção para os dias de altas temperaturas que por aqui se fazem sentir no verão.

Pista Internacional de Pesca Desportiva de Mora

Mas, se gosta mesmo é de pesca, Cabeção é o lugar perfeito. Aqui, encontra-se a Pista Internacional de Pesca Desportiva de Mora, considerada uma das melhores da Europa. São muitas as provas nacionais e internacionais desta modalidade que aqui acontecem ao longo do ano, colocando Mora na grelha das competições mais importantes.

É muito comum encontrar antas nesta região, representativas da era pré-histórica e, em Pavia, podemos apreciar uma que  foi transformada em capela, a Capela de São Dinis,  que está classificada como monumento nacional desde 1910.

São muitos os pontos de interesse que se encontram no concelho assim como actividades a serem exploradas. Eu voltarei com certeza, até porque não consegui fazer tudo o que queria.

Acessibilidades

Um Alentejo típico, mas  com alguma modernidade e preocupação com a questão das acessibilidades nos equipamentos mais recentes. Assim é no Museu do Megalitismo como no Fluviário. O passadiço, no parque do Gameiro, é liso e possível de ser feito em cadeira de rodas. Já a praia não é acessível.

O Restaurante O Afonso tem acesso livre de obstáculos, sem degraus, no entanto não tem casa de banho adaptada.

Mora_Alentejo_JustGo

Este passeio está integrado na iniciativa #euficoemportugal, da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, em que 48 bloggers, durante o mês de Junho, andaram por Portugal a visitar e promover destinos menos explorados esperando, com isso, ajudar na recuperação do turismo nacional e contribuir para a retoma económica do País.

JustGo!!

Author

Write A Comment

error: Content is protected !!